A chegada de Daqueles Além Marão

Publicado em 2017, deveria ter sido lançado por uma editora pela obtenção do primeiro lugar num concurso.

Capa de Terras de Xisto e Outras Histórias

Um livro de contos diversos onde circunstâncias dramáticas obrigam os personagens a contrariar a sua própria natureza.

Capa de Lágrimas no Rio

A pacata aldeia de São Cristóvão do Covelo sofre um terrivel cataclismo que vai revelar forças estranhas.

A Amazon apoia a publicação independente

Todos os meus livros são publicados pela Amazon de forma independente e não exploradora. Estão à venda em todo o mundo.

A família de livros "Debaixo dos Céus" continua a crescer desde 2015

Desde a publicação de "Terras de Xisto" em 2015 até "Entre o Preto e o Branco" em 2020, vão milhares e milhares de palavras escritas.

A capa de Daqueles Além Marão

Os contos aqui incluídos têm todos protagonistas transmontanos. A capa escolhida é feita a partir dos azulejos da estação ferroviária do Pinhão, na linha do Douro.

A chegada de Terras de Xisto e Outras Histórias

Foi emocionante a entrega destes livros, os primeiros publicados em exclusivo com o meu nome.

A chegada de Lágrimas no Rio

As primeiras apresentações que fiz foram desta obra.

A capa de Entre o Preto e o Branco

A primeira capa 100% desenhada por mim, com recurso a uma foto royalty free.

A chegada de Entre o Preto e o Branco

Como das vezes anteriores, quando chegou a primeira remessa já estava toda vendida.

sábado, 21 de agosto de 2010

O Beijo



- Linda...- O sussurro masculino, soprado ao seu ouvido, como uma brisa morna que lhe trouxe arrepios na espinha, quase a despertou completamente.
- Acorda, é tarde...- Novo sussurro daquela voz tão familiar trouxe-lhe tanto prazer e um calor no baixo-ventre que a mensagem transmitida foi completamente ignorada.
Deixou-se ficar encolhida a saborear mais uns segundos de preguiça, no calor da cama, com os olhos fechados e um sorriso nos lábios finos e claros.
O longo cabelo loiro espalhado na travesseira emoldurava-lhe a cabeça numa áurea de santidade revolta e o corpo franzino sob os lençóis, o aspeto de uma criança traquina.
Sentiu o suave toque dos lábios dele na face, quase junto à vista direita, em conjunto com um suspiro do hálito que tantas vezes sentira na sua boca.
Sempre de olhos fechados, uma lágrima teimosa correu ao logo do seu nariz até pingar sobre o tecido da travesseira.
Suspirou um soluço e abriu um dos olhos, na penumbra do quarto, para espreitar o relógio sobre a mesa de cabeceira. Confirmava-se o aviso: Era realmente tarde.
Mas não desistia de se deixar sempre mais um pouquinho no aconchego da cama esperando que viesse mais um carinho, um sussurro ou um beijo… Que nunca vinha.
Outra lágrima correu.
Esticou um braço, preguiçosamente, e premiu o botão do leitor de CD que iniciou a sua rotina interminável a tocar a música ao som da qual se amaram tantas vezes.
Ia chegar tarde outra vez. Ia perder o emprego… E estava tão cansada!.
Sentou-se indolentemente na borda da cama e, sem se voltar, tateou a parte fria dos lençóis remexidos procurando alguém que sabia que não estava lá.
Pousou a testa sobre o tampo da mesa de cabeceira deixando-se envolver pelos acordes melodiosos antes de, como um autómato, erguer-se e caminhar para a casa de banho calcando os montes de roupa espalhados pelo chão.
Regressou alguns minutos depois praticamente desperta, de olhos enegrecidos de noites mal dormidas e quedou-se olhando a cama vazia de lençóis revoltos.
O quarto parecia um cenário de guerra. Roupas espalhadas, o espelho da cómoda partido e restos de molduras e fotografias por todo o lado.
Os seus ataques de fúria estavam a deixar muito pouco para destruir e há muito tinha desistido de arrumar.
Tinha passado apenas um mês.
Há um mês que Eduardo, vitima de um estúpido atropelamento, à porta de casa, tinha-a deixado para sempre. No entanto…
Todas as manhãs, aquela voz, aquele beijo tão familiar de milénios de manhãs consecutivas, vinha-a despertar trazendo-lhe a sensação da sua presença, a noção do seu amor imortal.
Claro que acontecia sempre naquele limiar entre o sono e a realidade que antecedia o despertar completo e evaporava-se como fumo em poucos segundos.
Mas, parecia-lhe, ficava no ar o cheiro da sua presença e a sensação do beijo a queimar-lhe no rosto pelo resto do dia.
E assim levava os seus dias. Enlevada por aquela promessa matinal do amor que não vinha e as noites agitadas, aguardando uma vez mais a doce voz que a chamava e o beijo que a despertava.
Regressou para a cama, cobriu-se e encolheu-se em posição fetal…
Não iria mais trabalhar, não queria saber de emprego nem de mais nada.
Ficaria ali deitada à espera de Eduardo.
À espera que aquela presença incorpórea regresse, à espera que passe rapidamente o dia e retorne a madrugada, à espera de mais do que um beijo, à espera que seja mais do que invisível… ou que a leve.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

A Caricia


Havia uma caricia naquele céu
mas eu não consegui alcança-la.
Remoinhos de pensamentos
confundiam-me e assustavam-me.
A sensação da tua presença tão próxima...
Havia uma caricia naquele sol
mas eu não consegui esboça-la.
Receios confusos perturbavam-me
e tolhiam-me de pôr a mão no teu rosto.
Numa caricia que se adivinhava,
Mas que não sabia se se esperava...
E o receio de te perder num gesto,
Tão forte e tão presente,
Ganhou a batalha sem precisar lutar.