Debaixo dos Céus Os Mundos de Manuel Amaro Mendonça

quinta-feira, 4 de junho de 2015


terça-feira, 2 de junho de 2015

Margarida



Sentada nos últimos lugares do autocarro, Margarida encolheu-se quando o homem se sentou a seu lado.
Naqueles lugares apertados, é praticamente impossível não tocar nas pessoas e eles estavam tão próximos que ela conseguia sentir o cheiro da loção da barba. Corou ao sentir o calor da perna dele em contacto com a sua através dos jeans coçados.
Mexeu-se, desconfortável, tentando afastar a perna dele.
Pelo canto olho, espreitou-lhe o rosto moreno de nariz largo e sobrancelhas hirsutas encimado pela cabeleira negra e encaracolada. O olhar parecia preso lá longe, na parte dianteira do veículo.
Queria ver-lhe os olhos, mas não se atrevia a voltar-se e olha-lo diretamente. Os olhos sempre foram aquilo que mais a atraía nos homens...
Não que esse fato adiantasse para alguma coisa; tinha vinte e dois anos e apenas teve um namorado. Se se pode chamar namoro ao que ela e o "pau de virar tripas" do seu vizinho pré adolescente fizeram durante dois anos... onde nem um beijo na boca aconteceu.
Com o coração a bater apressadamente, pegou o telemóvel e, simulando estar a escrever uma mensagem, inclinou o vidro do aparelho de forma a apanhar por reflexão o rosto do companheiro de viagem. Apreciou-o demoradamente e tentou fixar-lhe os olhos... que repentinamente a focaram através do reflexo.
Surpreendida e atrapalhada, quase deixou cair o equipamento. Virou rapidamente o mostrador para o chão enquanto se esforçava por regularizar a respiração entrecortada e acalmar o rosto que abrasava.
“Bem feita.” Censurava-se. “Sempre se deixara ficar quieta no seu canto, que lhe dera para fazer aquela fita?”
Apertou as mãos nos ferros do banco da frente e fechou os olhos com força inclinando a cabeça para baixo. “Será que esta aflição é um ataque cardíaco? Não sou muito nova para isso?”
Assim que começou a acalmar-se, puxou a cabeça ligeiramente para trás e inspirou fundo. Abriu os olhos e aquele rosto moreno, de olhos como carvões incandescentes, fitava-a num misto de preocupação e divertimento enquanto perguntava: "Está a sentir-se bem?"
Margarida soltou um gritinho de susto e, completamente atordoada, levantou-se abruptamente gemendo disconexa: "Sim, estou bem. Estou bem, obrigada. Sim, é a minha paragem, tenho que sair aqui, com licença."
Na atrapalhação quase cai sobre o passageiro e sai a correr do transporte público... ainda não era naquele dia que arranjaria um namorado.