A chegada de Daqueles Além Marão

Publicado em 2017, deveria ter sido lançado por uma editora pela obtenção do primeiro lugar num concurso.

Capa de Terras de Xisto e Outras Histórias

Um livro de contos diversos onde circunstâncias dramáticas obrigam os personagens a contrariar a sua própria natureza.

Capa de Lágrimas no Rio

A pacata aldeia de São Cristóvão do Covelo sofre um terrivel cataclismo que vai revelar forças estranhas.

A Amazon apoia a publicação independente

Todos os meus livros são publicados pela Amazon de forma independente e não exploradora. Estão à venda em todo o mundo.

A família de livros "Debaixo dos Céus" continua a crescer desde 2015

Desde a publicação de "Terras de Xisto" em 2015 até "Entre o Preto e o Branco" em 2020, vão milhares e milhares de palavras escritas.

A capa de Daqueles Além Marão

Os contos aqui incluídos têm todos protagonistas transmontanos. A capa escolhida é feita a partir dos azulejos da estação ferroviária do Pinhão, na linha do Douro.

A chegada de Terras de Xisto e Outras Histórias

Foi emocionante a entrega destes livros, os primeiros publicados em exclusivo com o meu nome.

A chegada de Lágrimas no Rio

As primeiras apresentações que fiz foram desta obra.

A capa de Entre o Preto e o Branco

A primeira capa 100% desenhada por mim, com recurso a uma foto royalty free.

A chegada de Entre o Preto e o Branco

Como das vezes anteriores, quando chegou a primeira remessa já estava toda vendida.

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Palavras por Amor



Recordo um amor antigo, que viveu de sonhos
Por algum tempo.
Que vem até mim, em sonhos disperso.
Sabes de quem falo? Tu, cujos olhos me lêem?
Sabes a saudade que tenho, dos cálidos beijos
E ternos abraços?
Mirrados frutos deste amor que foi ficando,
Encerrado nas folhas que escrevo,
Encarcerado no livro que fecho,
Fechado nas lágrimas que verti,
Em forma de cadeado.
Secas, como as pétalas da rosa,
Conservada de uma saudosa primavera,
Assim ficam estas palavras,
Outrora viçosas.
Recordo o brilho dos olhos, o calor dos lábios
E o carinho do abraço,
Que não mais voltam.
Fica este testemunho, em letras luzidias,
Negro sobre o alvo marfim, 
Aconchegado em capa cinzenta.
Repousa amor, sonho inacabado,
Prematuramente desperto.

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Pensei que eras eterno





No meu egoísmo, pensei que eras eterno.
Eterno, como as rochas que enfrentam o mar, dia após dia e não cedem terreno, apesar de não vencerem. Eterno, como as grandes montanhas que, escavadas por rios e mineiros, erguem-se imponentes desafiando as neves e os ventos.

Afinal, eras apenas como um grande castelo, erguido à força de braços e resistindo por décadas e décadas… até que os seus muros, construídos para resistir à força bruta dos bárbaros invasores, começa a derruir, pedra após pedra, cedendo aos elementos e ao tempo. Por fim, já pouco mais eras que uma pequena cerca, apoiada em fortes, mas soterrados, alicerces. Mas era aí que eu recorria, conhecedor da força das tuas bases, a aprender o conhecimento da tua estrutura e desejando um dia vir a ser metade do homem que eras, ter pelo menos metade da tua força.

Mas no meu egoísmo, cuidei que estarias sempre ali para mim. Para me falares na tua voz calma e ponderada, embora poderosa. Darias um excelente orador, se a tua educação de gente humilde, de quem viveu na escravidão dos ricos, não te fizesse tão discreto e receoso de protagonismo. Os anos ensinaram-te as virtudes da invisibilidade e evitar a atenção da inveja e do mal. Quando erguemos uma torre acima da cabeça dos demais, haverá sempre alguém para tentar derrubar, apenas poque não é capaz de a igualar, quanto mais fazer  melhor.

No meu egoísmo, achava que serias sempre o meu porto de abrigo, aquele a quem falava dos meus eventos e dos meus projetos, que escutava e debatia, como sabias debater a maior parte dos assuntos. Eram os frutos da bagagem dos anos e da tua fome de saber, que te levou a devorar tomos e tomos, que guardavas ciosa e orgulhosamente.

Com um golpe no egoísmo, vi-te partir e deixar um enorme vazio, que nunca poderá ser preenchido; antes evitado e escondido, nos recantos da minha memória. Espaço que vou tapando com montes de outros tantos eventos, bons e maus, que compõem a minha vida.

O sol nasce e as serras distantes tingem-se de tons alaranjados. O céu, de um azul puro, tem apenas algumas nuvens dispersas, na promessa de mais um belo dia de agosto. De mais um dia sem ti.