A chegada de Daqueles Além Marão

Publicado em 2017, deveria ter sido lançado por uma editora pela obtenção do primeiro lugar num concurso.

Capa de Terras de Xisto e Outras Histórias

Um livro de contos diversos onde circunstâncias dramáticas obrigam os personagens a contrariar a sua própria natureza.

Capa de Lágrimas no Rio

A pacata aldeia de São Cristóvão do Covelo sofre um terrivel cataclismo que vai revelar forças estranhas.

A Amazon apoia a publicação independente

Todos os meus livros são publicados pela Amazon de forma independente e não exploradora. Estão à venda em todo o mundo.

A família de livros "Debaixo dos Céus" continua a crescer desde 2015

Desde a publicação de "Terras de Xisto" em 2015 até "Entre o Preto e o Branco" em 2020, vão milhares e milhares de palavras escritas.

A capa de Daqueles Além Marão

Os contos aqui incluídos têm todos protagonistas transmontanos. A capa escolhida é feita a partir dos azulejos da estação ferroviária do Pinhão, na linha do Douro.

A chegada de Terras de Xisto e Outras Histórias

Foi emocionante a entrega destes livros, os primeiros publicados em exclusivo com o meu nome.

A chegada de Lágrimas no Rio

As primeiras apresentações que fiz foram desta obra.

A capa de Entre o Preto e o Branco

A primeira capa 100% desenhada por mim, com recurso a uma foto royalty free.

A chegada de Entre o Preto e o Branco

Como das vezes anteriores, quando chegou a primeira remessa já estava toda vendida.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Manhã de Domingo

Photo by Ivan Oboleninov from Pexels

Naquela manhã de domingo, o rádio despertador começou a tocar, às 7:30h, como o fazia todos os dias. A música de Miguel Gameiro, “Dá-me um abraço”, encheu o espaçoso quarto, dançando nas paredes ainda cheias de sombras.

Dá-me um abraço que seja forte
E me conforte a cada canto
Não digas nada que o nada é tanto
E eu não me importo

Ainda sonolenta, Irene não conseguiu deixar de esboçar um sorriso, ao mesmo tempo que estendeu a mão para desligar o aparelho. O gesto ficou suspenso no ar por uns segundos e acabou por deixar cair, sem interromper a música.

Dá-me um abraço fica por perto
Neste aperto tão pouco espaço
Não quero mais nada, só o silêncio
Do teu abraço

Adorava aquela melodia, sabia-a até toda de cor. Fora a música de fundo de muitas e boas cenas da sua vida.
Entreabriu os olhos ao sentir a pressão de algo quente contra as suas costas. A luz da manhã filtrava-se através dos pequenos espaços da persiana em focos de partículas de pó, douradas e flutuantes, estendendo-se até ao chão. Ajeitou as costas contra a pressão, espreguiçando-se voluptuosamente… é domingo e o braço de João nas suas costas estava a lembrar-lhe algumas “urgências”. Um calor invadiu o seu baixo ventre, sem, no entanto, afastar o sono.

Já me perdi sem rumo certo
Já me venci pelo cansaço
E estando longe, estive tão perto
Do teu abraço

Com os olhos fechados e um sorriso malicioso, esfregou ainda mais as costas contra o braço do adormecido companheiro, esperando que ele acordasse e quisesse fazer o mesmo que ela desejava naquele momento. Empurrou os seus braços entre as coxas e apertou com força enquanto se espreguiçava. Deixou-se dormir mais um pouco, mas a vontade não ia embora. Há quanto tempo não faziam amor…? Há quanto tempo não sentia aquele corpo musculado em cima dela, não o apertava com as suas coxas ávidas…? “Desde que a cabra da Isaura começara a rondá-lo” lembrou-se com raiva, “Maldita seja, que acabou por o levar...”

Dá-me um abraço que me desperte
E me aperte sem me apertar
Que eu já estou perto abre os teus braços
Quando eu chegar

Imagens dolorosas de João e da ex-amiga alternaram-se com as suas próprias recordações dos momentos de carinho com ele.
Ela não merecia aquilo! O seu companheiro e a sua melhor amiga...
Abriu os olhos de espanto para a penumbra do quarto: “Acabou por o levar? Então quem está atrás de mim?”
Mal se atrevendo a voltar-se, atirou o cotovelo para o lado da cama que devia estar desocupado, rodando rapidamente. Um miado indignado fez-se ouvir, logo seguido de patas fofas fugindo sobre o soalho.

É nesse abraço que eu descanso
Esse espaço que me sossega
E quando possas dá-me outro abraço
Só um não chega

“Coitadinho do bolachinha...”, pensou, “Esqueci-me completamente do pobre bichaninho.”
Encolheu-se novamente em posição fetal.
João deixara-a. Trocou-a pela Isaura. Uma lágrima teimou em correr ao longo do nariz e pingou sobre o travesseiro.

Já me perdi sem rumo certo
Já me venci pelo cansaço
E estando longe, estive tão perto
Do teu abraço

“Foi-se embora e não arranjou a porta do armário da cozinha, que está solta há meses e nem substituiu o prego do quadro do corredor que está sempre a cair… imprestável!” Revoltou-se.

Já me perdi sem rumo certo
Já me venci pelo cansaço
E estando longe, estive tão perto
Do teu abraço
.. ..
E estando longe, estive tão perto
Do teu abraço

Ergueu-se de um salto e deu uma forte pancada, para desligar o rádio despertador, enquanto lhe gritava:
— Cala-te, monte de esterco! É domingo!
Tornou a enrolar-se nos lençóis desalinhados e limpou as lágrimas com raiva.
“Ele foi-se embora? Quem perdeu foi ele! Raio que o parta, não faz cá falta nenhuma!”