quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Pentautores - Cinco Maneiras de Contar Histórias


Num sábado de inverno, fez no dia 19 de novembro, três anos, um grupo de cinco contadores de histórias, reuniu-se na Póvoa de Lanhoso. Os seus elementos, estavam decididos conhecerem-se pessoalmente e conversarem sobre o amor que os unia: a escrita.

Durante um almoço bem disposto, alguém atirou "para o ar" um desafio: "E se escrevêssemos um livro, nós os cinco?" Se bem o pensaram, melhor o fizeram e seis meses depois (não, não foram nove), nascia "Antes Quebrar Que Torcer": quase 250 páginas de interpretações do tema As Invasões Francesas no Norte de Portugal, em 1809.

Passaram-se dois anos e meio, desde esse lançamento inicial e já há nova obra nas bancas: "Além", palavra vaga e aberta às mais diversas interpretações, que deu rédea solta aos nossos autores, durante 265 páginas.

Depois de obra feita e um sentimento de pertença a este grupo cada vez mais coeso, não podíamos deixar de pensar, que se impunha a criação de um símbolo, um emblema, que nos representasse.

Depois de analisar vários formatos e imagens, a escolha caiu sobre este aqui exibido.

Engana-se, quem pensar que se trata de uma imagem avulsa, sem qualquer significado. A fonte escolhida, é semelhante ao tipo da máquina de escrever, para lembrar outros tempos, mais manuais e menos digitais.

Pentautores, porque somos cinco, assim como os dedos da mão: todos diferentes, mas com um interesse comum.

A mão aberta, oferece uma caneta, porque é com a caneta que se escrevem as histórias.

Como disse um dia Virginia Wolf: "Escrever é que é o verdadeiro prazer; ser lido é um prazer superficial".


As obras do grupo Pentautores:

Além - Outubro 2019


Antes Quebrar Que Torcer - Maio 2017

Futuramente teremos outros!



Os Pentautores, em 19 de novembro de 2016.
 Da esquerda para a direita:



Reacções:

1 comentários:

Cristina Brandão Lavender disse...

Estou a gostar do "Além". Onde posso adquirir o "Antes quebrar que torcer"?