A chegada de Daqueles Além Marão

Publicado em 2017, deveria ter sido lançado por uma editora pela obtenção do primeiro lugar num concurso.

Capa de Terras de Xisto e Outras Histórias

Um livro de contos diversos onde circunstâncias dramáticas obrigam os personagens a contrariar a sua própria natureza.

Capa de Lágrimas no Rio

A pacata aldeia de São Cristóvão do Covelo sofre um terrivel cataclismo que vai revelar forças estranhas.

A Amazon apoia a publicação independente

Todos os meus livros são publicados pela Amazon de forma independente e não exploradora. Estão à venda em todo o mundo.

A família de livros "Debaixo dos Céus" continua a crescer desde 2015

Desde a publicação de "Terras de Xisto" em 2015 até "Entre o Preto e o Branco" em 2020, vão milhares e milhares de palavras escritas.

A capa de Daqueles Além Marão

Os contos aqui incluídos têm todos protagonistas transmontanos. A capa escolhida é feita a partir dos azulejos da estação ferroviária do Pinhão, na linha do Douro.

A chegada de Terras de Xisto e Outras Histórias

Foi emocionante a entrega destes livros, os primeiros publicados em exclusivo com o meu nome.

A chegada de Lágrimas no Rio

As primeiras apresentações que fiz foram desta obra.

A capa de Entre o Preto e o Branco

A primeira capa 100% desenhada por mim, com recurso a uma foto royalty free.

A chegada de Entre o Preto e o Branco

Como das vezes anteriores, quando chegou a primeira remessa já estava toda vendida.

quinta-feira, 29 de outubro de 2020

Por Causa da Outra


"Qualquer coisa se perdeu, quando o Paraíso perdido se ganhou."

 

Fernando Pessoa.



Caminhando pelo trilho, sem pressas, uma jovem mulher de pele morena, quase dourada e longos cabelos loiros, que lhe chegam à cintura. Os seios desnudos, bamboleiam-se, exibindo as áureas rosadas com naturalidade e o baixo ventre está apenas decorado com uma penugem dourada. Os pés descalços calcam sem receio as folhas da vereda. Seu nome era Eva e estava nua, mas isso era natural, pois fora assim que viera ao mundo.
A floresta luxuriante, plena de cor, tem os caminhos perfeitamente demarcados e limpos, para que não seja necessário calcar as ervas ao caminhar. As árvores descem graciosamente os seus ramos, quase até ao chão, para que seja possível colher os seus frutos ou as folhas, sem ser preciso subir-lhes. Coelhos e outros roedores de tamanhos diversos atravessam os caminhos para se ocultarem novamente na vegetação do outro lado. O sol atravessa as copas das árvores e dá a todo o ambiente um tom dourado, como que de um outono bem-vindo após um verão quente.
Certificou-se que não a seguiam, antes de abandonar o carreiro e penetrar profundamente no arvoredo até à figueira que costumava visitar para se deleitar com os seus frutos.
— Olá! — Cantarolou um melro de um ramo alto.
— Olá! — Respondeu ela numa voz acriançada. — Está um lindo dia, não achas?
— Sim. — Concordou a ave. — Como aliás o de ontem, anteontem e de sempre, desde que me conheço. Aborrecido.
— Também me queixo do mesmo. — Concordou ela, de expressão contristada. — Mas de vez em quando, venho por aqui…
— …aos figos? — Adivinhou a ave.
— Sim, também. — Eva sorriu. — Mas foi ao pé da figueira que encontrei outra mulher e…
— A outra?!? — O animal agitou-se. — Mas não és só tu e o Adão por aqui?
— Sim. Também achava que sim, mas depois encontrei-a e tornamo-nos amigas.  — Explicou ela. — Vou agora ver se a vejo.
— Vou contigo. — O pássaro esvoaçou para o ombro dela, onde pousou com suavidade e sem apertar as garras afiadas.
Eva recomeçou o seu caminho, afastando os ramos mais baixos, até chegar a uma pequena clareira onde estavam duas figueiras baixas, os ramos plenos de frutos verdes e avermelhados, cujo aroma fazia crescer água na boca de quem os via. Mesmo ao lado, sentada numa pedra, estava outra mulher, de cabelos vermelhos, amarrados num rabo de cavalo que lhe descia pelas costas. Era morena e voluptuosa. Os seios estavam cobertos por uma pele de coelho e à cinta trazia o que parecia ser outra de raposa, que lhe descia graciosamente entre as pernas.
Assim que entraram na clareira, o pássaro levantou voo e foi-se embora, a tratar dos assuntos próprios dos melros.
— Olá querida Eva. — Cumprimentou a mulher sentada, exibindo um sorriso rasgado. — Esperava-te.
— Olá Lilith. — Saudou a recém-chegada, confundida com a intempestividade da partida do companheiro. — Esperava encontrar-te.
— Não disseste ao Adão que me viste, disseste? — A mulher ficou séria.
— Não, não disse nada. — Asseverou Eva. — Ele anda lá para os prados junto ao rio, a cavar; cismou que há de fazer crescer plantas, como o nosso Senhor.
— Passa a vida a inventar coisas para fazer. — A outra fez uma expressão de desdém mal dissimulada. — Em vez de se questionar sobre o que há fora daqui.
Fora daqui? — Eva ficou curiosa. — Para onde vá, só vejo as mesmas árvores, com e sem frutos, os mesmos animais simpáticos e faladores. Às vezes vejo um ou dois vigilantes, mas é raro.
— A saída fica um pouco longe… não a encontras com facilidade. — Afirmou Lilith. — Não querem que a encontres. Deves sentir-te bem nesta prisão… se não souberes o que é uma prisão.
— Mas o que é uma prisão? — Eva interrogou, confundida.
— É um sítio de onde não te deixam sair.
— Mas ainda não encontrei sítio nenhum onde não pudesse ir.
— Podes mesmo? E a árvore dos frutos luminosos? — Lembrou a ruiva.
— Podemos ir lá… — Concluiu Eva pensativamente. — Não podemos é comer dela.
— E isto porque nem sequer te aproximaste dos portões de saída, senão então é que era! Apareciam-te logo os vigilantes a perguntar o que fazias ali e a pedir-te delicada mente que te afastasses… até te empurrarem, se não fizeres o que te mandam. — A ruiva fez uma expressão zangada.
— Então não conseguiste sair?
— Eu?!? Claro que sim! Quando meto uma coisa na cabeça, não é fácil de sair. — Ela fez uma expressão de triunfo. — Atravessei um dos rios e tenho vivido lá fora, numa das cidades que eles tanto odeiam, onde o meu filho é rei. No princípio, ainda me perseguiram e tentaram apanhar-me, mas depois desistiram.
Eva estava boquiaberta com as maravilhas que aprendia sobre as cidades que existiam fora da quinta que ela não imaginava existirem.
— Mulher! — Uma voz masculina fez-se ouvir. — Onde estás, mulher? Eva!
— Vem aí o bruto do Adão! — Anunciou Lilith, levantando-se e afastando-se. — Vou-me embora. Vemo-nos aqui outro dia! Não digas que me viste!
— Aí estás tu! — Um homem completamente nu, de cabelo castanho escuro desgrenhado e uma barba rala quase loira surgiu na orla das árvores. — Como vieste esconder neste sítio? — Vários esquilos surgiram no chão e nos troncos das árvores para espeitarem a causa do alvoroço.
O melro regressou ao ombro de Eva.
— Não me escondi. — Desculpou-se ela. — Estava aqui a pensar.
— A pensar! — O homem riu-se. — Não faças isso, que ficas com a testa enrugada! Não estragues a tua cara bonita. — Coçou as partes íntimas, ruidosamente, mergulhando a mão na enorme mata púbica e agitando o pénis flácido.
— Não gosto nada quando fazes isso. — Censurou ela com uma careta de desagrado. — Nem que andes para aí com isso pendurado, como um animal qualquer.
— E que tem? — Adão indignou-se e apontou-lhe ao peito. — Não andas com essas coisas aí penduradas também?
— E eu disse-te que gosto? — Atirou a mulher, revoltada. — Parece-te que tive escolha?
Furiosa, dirigiu-se a uma planta rasteira que espalhava as descomunais folhas verdes pelo chão e arrancou-lhe umas quantas. Depois, aproximou-se de um salgueiro que derrubava os seus ramos esguios, mas resistentes, para o solo e despojou a árvores de alguns deles. Assim equipada, fez um entrançado das folhas e prendeu-as grosseiramente umas às outras com os ramos do salgueiro. Fez uma espécie de túnica para ela e um saiote para ele.
Adão observou toda a atividade num silêncio surpreendido.
— Não sabia que conseguias fazer estas coisas… — Comentou ele, mirando-se, agradado.
— Há muita coisa que tu não sabes… e pensas que sabes! — Afirmou ela, mordaz. — Agora anda comigo.
O homem não sabia o que dizer. Estava habituado a ser ele a mandar e ela a obedecer sem protestar, como o senhor lhes tinha dito para fazerem quando se conheceram. Esta mulher era muito diferente da outra que tivera antes, que era uma fonte de problemas e discussões. Era menos fogosa, é verdade, mas mais meiga e submissa… até este momento.
Eva puxou Adão pela mão e guiou-o pelo trilho calcado entre as árvores e ele deixou-se guiar, não sem sentir uma ponta de apreensão.
Mais à frente vinha um lobo a trotar pelo caminho.
— Olá meninos. — Exclamou o canídeo, medindo-os de alto abaixo. — Que é isso tão verde em cima de vós?
— Parece que são roupas... — O homem não estava muito seguro, enquanto continuava arrastado pela fêmea.
— É estranho, mas ao mesmo tempo agradável. — Comentou o lobo farejando o ar em volta deles. — Se soubesses a inveja que vos tenho, por vocês terem mãos e poderem fazer essas coisas maravilhosas e eu não… mais do que inveja é admiração. Onde ides afinal?
Como não obtivesse mais resposta dos dois, decidiu segui-los.
Estavam a chegar a uma enorme clareira dominada por uma descomunal árvore de frondosos e altos ramos, decorados com frutos vermelhos que reluziam e piscavam, envolvendo o ambiente numa luz colorida e irreal.
— Que queres tu daqui? — Perguntou Adão a medo.
— Quero que me dês um fruto destes! — Exigiu ela.
— Estás louca? O senhor disse que podíamos comer de todas menos desta!
— E porquê? Que está ele a esconder? — Ela pôs as mãos na cinta. — Sabes porquê? Porque é um guloso e quer os melhores só para ele.
Do outro lado da clareira, ocultos pela ramagem, Lilith piscou o olho a uma enorme e bela serpente colorida, coberta de escamas reluzentes como diamantes. Como que acatando uma ordem, o réptil subiu facilmente pela árvore e deixou-se ver entre os ramos.
— Serpente! — Chamou Eva. — Atira-nos um fruto desses.
— Destes, desta árvore? — Sibilou o réptil. — Não posso fazer tal. O Senhor não vos disse que não podeis comer deles?
— Mas eu quero saber porquê. — Insistiu ela. — Tenho de provar!
— De qualquer forma, estes frutos não são normais. — Explicou a serpente. — Só pode comer quem os apanhar, por isso, não posso ajudar-vos. Mas se os provarem, não vão querer outra coisa. Ficarão muito mais sábios e perceberão que a vida não é só andar a vaguear na floresta, por entre animais amestrados.
— Quem é amestrado? — Rosnou o lobo, a quem ninguém respondeu.
Eva começou a atirar pedras aos ramos com intenção de acertar nos frutos e Adão, incentivado pela conversa, imitou-a. A serpente estimulava-os a ambos com "Está quase!" ou "Ah, falhaste por pouco!"
Quando as primeiras pedras começaram a tombar caoticamente no chão em volta, o lobo achou melhor afastar-se um pouco, para ver a cena de longe. As aves de todas as árvores em redor levantavam voo apavoradas e vários ratos fugiram do tronco da árvore.
— Que estão a fazer, seus idiotas! — Gritou um dos roedores para Adão. — Vou fazer queixa ao Senhor!
O homem ergueu um pé para o chutar, mas o rato esquivou-se agilmente, para logo encontrar a mulher a cortar-lhe o caminho. Bufou e ameaçou-a com os dentes arreganhados fazendo-a acovardar-se, pois nunca tinha visto uma animal a fazer aquilo. O fugitivo saltitou agilmente pelas folhas que atapetavam o solo, até desaparecer de vista.
Adão retomara o exercício de tiro e conseguiu por fim acertar num dos frutos que se estilhaçou, literalmente, no chão, após uma queda vertiginosa.
— Ah! Esqueci-me de avisar, têm de apanhar os frutos antes de chegarem ao chão! — Riu a serpente, perante a desolação deles.
Os dois humanos retomaram as pedradas e mais frutos caíram e se estilhaçaram, antes que os conseguissem agarrar. Nenhum deles reparava que a luz da árvore dos frutos luminosos parecia alterar-se e o ar estava a ficar amarelado e doentio. Tirando o barulho que os três faziam, toda a floresta estava agora no mais profundo silêncio. Até que, por fim, Adão lançou-se num voo e conseguiu agarrar um fruto reluzente, antes que este tocasse o chão.
— Bravo! — Gritou o réptil do alto dos ramos.
Eva atirou-se por cima do homem e ferrou uma feroz dentada no fruto, ainda na mão dele e, depois de o saborear, beijou Adão lubricamente na boca, partilhando o sumo doce da sua conquista.
Naquele momento, a luz tremeluziu e encolheu-se, como se o sol se eclipsasse repentinamente. Os dois humanos assustaram-se, olhando em volta e aperceberam-se do foco de luz que se projetava do céu, mesmo no centro da clareira. Ali se materializou um enorme homem de cabelos despenteados brancos e barbas eriçadas da mesma cor. Vestia uma alva túnica comprida, debruada a ouro nos punhos, no pescoço e na bainha.
— Que estão a fazer, infelizes? — A voz do recém-chegado ecoava como trovões nos montes distantes. — Não vos disse que não comêsseis desta árvore?
Mais dois humanos, vestidos de forma semelhante, se materializaram atrás do Senhor.
— Que tens a dizer Adão? Porque fizeste isto? Vê o que estragaste! — A voz trovejante estava zangada.
— Meu Senhor. — Lamentou-se o humano, pousando a cara no chão em subserviência. — Foi a mulher que me arranjaste, que me levou a fazer isto!
— Eu? — Eva indignou-se, apesar de também imitar a postura de humildade do companheiro. — Parece que que não te estavas a divertir e além do mais, foste tu quem a apanhou!
— Mulher! — Censurou o Senhor.  — És uma má influência para o homem e ele é um fraco, por se deixar guiar por ti! — Depois voltou-se para o outro lado da clareira. — E tu, Lilith, já tentaste corromper Adão antes e, não conseguindo, corrompeste a mulher que arranjei para te substituir.
— Então sempre era verdade que eu era a segunda! — Eva ergueu-se em desafio. — Tanta meiguice, tanto amor pela verdade e esconderam-me uma coisa dessas! Ela bem me avisou que vocês eram uns falsos!
— Falaste com Lilith? — Adão estava em pânico. — Viste-a? Então era para te encontrares com ela que desaparecias?
— Não vos disse que queria aquela criatura longe daqui? — O Senhor censurava agora os dois outros humanos, gémeos indistintos, que chegaram com ele.
— Peço perdão. — Pediu um deles. — Sabíamos que andava por aí e temo-la perseguido, mas não a conseguimos apanhar.
— Mandei-vos matá-la, porque não o fizeram? — Continuava a censura.
— É uma vida humana, nós…
O Senhor ergueu uma mão indicando que não queria ouvir mais nada.
— É assim fácil, não é? — Eva aproximava-se do trio em tom de desafio. — Não faz o que querem, mata-se! Deviam tê-la matado e não o fizeram. E agora? Matam-na e a mim também? Depois arranja-se outra… se calhar desta vez é melhor matar o homem também e começar tudo de novo!
 — Cala-te mulher… — Ameaçou o Senhor erguendo uma mão e vendo-se com um dos gémeos a colocar-se entre eles, com uma expressão infeliz.
A jovem humana tinha metade do tamanho dos três, que pareciam controlar a vida dela e do companheiro, mas mesmo assim enfrentava-os.
— Porque não podíamos comer deste fruto? — Insistiu ela. — Se não eram para comer, porque os puseste aqui, a provocar-nos? Ou era só para te lambuzares sozinho com o prazer de nos mostrar que era só para ti?!? És um invejoso?
— Esta árvore controlava o ambiente em que viveis, é uma estrutura biológica que mantém o equilíbrio da natureza e deixa todos os animais dóceis! — O Senhor estava corado de fúria, enquanto gritava e empurrava o gémeo para o lado. — Tudo está controlado, exceto vós, criaturas ingratas!
— Nós aborrecemo-nos aqui, a inventar coisas para fazer. — Desculpou-se Adão, erguendo-se também. — Esta mulher que trouxeste, é mais dócil que a outra e melhor que ela em muitas coisas, mas é curiosa e está sempre a complicar o que devia ser fácil. Sempre a fazer perguntas em vez de aceitar como as coisas são.
— A mulher que te trouxe… o mundo que vos criei… tudo o que eu fiz foi errado, não foi?  — O cenho franzido do Senhor converteu-se numa máscara de tristeza. — … Eu sou o culpado da vossa curiosidade e insatisfação. Esta mulher é melhor que a outra endemoniada, mas também não serve, não é?
Não se ouvia uma mosca em toda a clareira, quando o Senhor virou as costas a todos e deu uns passos para se afastar, de braços e cabeça caída. Mas, de repente, parou e voltou o rosto novamente furioso.
— Vou resolver o vosso problema! Vão sair deste vale e procurar a vossa própria alimentação e vestir-se, já que gostaram de o fazer. Terão de arrancar o sustento da terra, em vez de o colherem abundante nas árvores. A serpente, esguia e insidiosa como a mulher, que morder-lhe-á o calcanhar que lhe esmagará a cabeça. O rato será o eterno inimigo, que vos invadirá a vida, roubando e estragando os alimentos produzidos a custo, que guardardes. o homem persegui-lo-á e a mulher odiá-lo-á e temê-lo-á. O lobo atacará e comerá os bens do homem e até o próprio homem, se puder. Homem e lobo admirar-se-ão, mas serão inimigos mortais. E agora desapareçam da minha vista! Vão-se embora deste vale, os animais deixarão de vos reconhecer e fugirão de vós, ou atacar-vos-ão.
— Meu Senhor, peço-vos perdão. — Implorou Adão. — Foi tudo por causa da outra, não vedes?
— A outra está condenada. — Disse o Senhor sem se voltar. — Será como um demónio, de quem toda a gente foge e nunca terá paz. Viverá a semear a intriga e a dúvida nos corações puros. 
— Senhor. — Pediu um dos gémeos. — Dê-lhes outra oportunidade.
— Não há mais oportunidades! — Trovejou o interpelado, apontando-lhe o dedo. — E vocês, não se atrevam a aparecer à minha frente, ficarão todos aqui em baixo com eles, guardem-nos e vigiem-nos, já que lhes têm tanto amor. Para que quero trezentos de vocês, se não são capazes de manter uma mulher minúscula fora dos meus domínios. Ponham-nos fora daqui e fechem este vale.
— Mas, Senhor… — O gémeo insistiu. — Que vai fazer?
— Vou-me embora! Vou recomeçar a experiência noutro lado… digam ao Lúcifer que ele ganhou. Começou a ganhar, assim que permiti que me ajudasse a criar a Lilith. — O foco de luz começou a envolver o Senhor que acrescentou ainda, antes de desaparecer: — Fiquem aqui em baixo uns com os outros. Merecem-se!   


segunda-feira, 12 de outubro de 2020

Homenagem a Isidro Sousa (1973-2020)


 "É tão longe voltar atrás."

É assim que começa este vídeo, publicado no final desta página, que organizei com imagens de domínio público obtidas no Facebook do Isidro Sousa e da sua Editora Sui Generis. Quando li esta frase, obtida na sua própria cronologia, achei que caía como uma luva na personalidade dele.
Conheci o Isidro há relativamente pouco tempo, em 2015, quando estava ainda a dar os meus primeiros (e tardios) passos na publicação, mas desde logo criou-se entre nós uma grande empatia. 
Acompanhou e incentivou os meus planos e inclusivamente escreveu o prefácio para o meu segundo livro "Lágrimas no Rio", que tantas vezes elogiou.
Algures no passado, antes de o ter conhecido, ter-se-á perdido no seu caminho no mundo da escrita, ou tomou um atalho "menos bom" durante demasiado tempo e aquilo que ele poderia ter sido, transformou-se num planar lento, em direção à inevitável queda.
Em 2015, estava numa fase de luta para se reerguer e tomar o seu lugar no palco das letras, ajudando e ajudado pelos escritores "desconhecidos" (ou simples amantes das letras que desejavam ardorosamente publicar). Depois de uma passagem curta, mas intempestiva, pelas editoras "Silkskin" e "Papel D'Arroz", geridas pela também já desaparecida Teresa Queiroz, com quem se incompatibilizou, partiu para o caminho da concretização de um sonho antigo; a criação da sua própria editora. Estavam criadas as raízes para a "Sui Generis".


Nos anos seguintes, numa atividade febril, lançou e publicou diversas antologias de autores portugueses e brasileiros, num mercado de autores ávidos por publicar e que já era largamente explorado pelas já atrás referidas editoras. A sua diferença seria um maior cuidado na escolha dos trabalhos, em termos qualitativos, maior qualidade na organização e paginação e capas mais artísticas e imaginativas. Os candidatos a escritores participavam nas antologias em troca da aquisição de um ou dois livros da produção (na maior parte das vezes eram adquiridos mais, força do prazer em oferecer a amigos e família).



Durante algum tempo, tudo pareceu estar a entrar nos eixos. Os projetos sucediam-se com elevado número de participantes e apresentações ao vivo, bastante concorridas e com um "glamour" que só ele sabia atribuir. Na trajetória ascendente, lança a revista "SG Mag", atrás de outras de algum sucesso, como a "Divulga Escritor" e a "Conexão Literatura", onde chegou a participar sob a forma de entrevistas e artigos.  Foram várias as edições, profusa e elegantemente ilustradas, dando a conhecer os autores do "Mundo Sui Generis" e divulgando as suas atividades, até aquelas que não lhe proporcionavam qualquer lucro. A própria revista não cobrava nada pelas participações, ao contrário das congéneres em que se baseara. 

De repente, porém, a sua Némesis destrutiva regressou e o negócio que aparentemente poderia pagar-se a si próprio, começou a decair; grandes demoras na entrada em produção das antologias dadas como terminadas e atrasos sucessivos na entrega dos volumes já pagos pelos participantes. Poderemos aventar que os problemas eram causados pela sua incessante busca da perfeição, com revisões e paginações demasiado demoradas ou que a crise financeira que o mundo vivia fez com que o número de participantes descesse. O que é certo, é que grande parte dos autores começaram a desistir, tirando um "núcleo duro" de amigos (alguns dos quais publicaram obras individuais com a Sui Generis) e outros novos que chegavam a esta oportunidade de publicação. Os lucros com a obra feita esfumaram-se, mal geridos ou não e nos últimos tempos, as suas antologias tão participadas e pagas, eram agora propostas ao público como participações sem obrigatoriedade de aquisição. Até a sua amada "SG Mag" tinha de apelar á colaboração, começando a apresentar a modalidade de participação paga.

Aquilo que sempre admirei nele, era o seu honesto esforço em liquidar os compromissos assumidos, entregando antologias já pagas há muito tempo e não aceitando mais retribuição por isso, apesar da muita falta que lhe fazia. Passaram-se assim os últimos tempos, após uma mudança brusca de Lisboa para o Porto, em busca de serenidade e espaço para poder continuar a trabalhar, porém, estas duas comodidades não lhe traziam outra de que era tão necessitado: o dinheiro. Nas últimas vezes que estive com ele, ou "falei" pelo Messenger do Facebook, era notório o cansaço e o esforço que estava ser feito e a sensação do trabalho inglório, na tentativa de repor a sua imagem. O terrível momento que vivemos, atemorizados por um inimigo invisível que ataca e mata sem se perceber muito bem de onde aparece, afetando com violência os mais frágeis, obrigando à separação física entre as pessoas e o fim das reuniões que lhe iam dando algum alento, deve ter sido para além do suportável. A notícia do seu desaparecimento, embora atordoante, não foi uma completa surpresa.

A enorme quantidade de expressões de dor e tristeza pelo acontecimento são às centenas onde se recorda o ser humano excecional que era, que cultivava amizades com grande facilidade e que nos cativava facilmente com os lampejos de genialidade e da energia criativa que o moviam.


Ele era assim, criava facilmente pontes com as pessoas e era muito fácil de começar imediatamente a considera-lo um amigo. Talvez por isso me acudisse imediatamente à ideia a música "Bridge Over Trouble Waters" de Simon & Garfunkel, porque era exatamente o que ele era; uma ponte sobre águas revoltas. Gostasse-se dele ou não, por preconceito, incompatibilidade de carácter, ou simples antipatia, ele foi, no espaço de tempo de um cometa a rasgar o céu, uma luz brilhante no firmamento dos escritores iniciantes.

Passado o choque e digerida a dor da perda de um bom amigo, senti que não podia deixar de escrever umas palavras por ele e fazer esta singela homenagem que espero perdure e ajudem a manter a memória do Isidro Sui Generis.
  
Biografia publicada na revista Divulga Escritor em 2015
Isidro Sousa nasceu em 1973, numa aldeia remota das Terras do Demo, e vive em Lisboa. Editou a revista Korpus (1996-2008), dirigiu o jornal Púbico (2008-2012) e produz anualmente o guia turístico Lisbon Gay Guide. Entre 2014-2015, participou em dezenas de obras colectivas (Portugal e Brasil) e foi distinguido com o 2º Prémio no 5º Concurso Literário da Papel D’Arroz. Organizou: «1ª Antologia de Literatura Homoerótica Portuguesa» (com o patrocínio da Câmara Municipal de Lisboa), «A Bíblia dos Pecadores» (lançamento em Fevereiro), «Boas Festas» (Silkskin Editora) e «O Beijo do Vampiro». Dirige a Colecção Sui Generis e tem a decorrer duas novas antologias: «Vendaval de Emoções» e «Ninguém Leva a Mal». Editará brevemente «De Lírios», compilação de textos publicados em várias colectâneas, «O Pranto do Cisne» (contos homoeróticos) e «Juno e Java», o seu primeiro romance.


Veja a seguir
Isidro Sousa: É Tão Longe Voltar Atrás



  

quinta-feira, 8 de outubro de 2020

Foste Embora Irmão das Letras


Foste embora.

Certo de que a vida te foi madrasta

E o destino te traiu desde a primeira hora.

Atiraste a toalha ao chão, basta!



Foste embora.

Tu, para quem desistir não era opção.

Quando todos saltavam fora

Restavas tu, como um leão!



Foste embora.

Esqueceste a luta, desististe,

Cansaste de esperar melhora.

Parecias bem, porque fingiste.



Foste embora.

Pois travavas uma luta inglória,

Na vida onde a dor labora

Numa guerra sem vitória.


Foste embora, porque te doía a solidão.





Um abraço, irmão das letras. 

Que a terra te seja leve e o Criador te dê a paz de espírito e o amor que merecias.

Homenagem a Isidro Sousa, beirão das Terras do Demo, desaparecido em 7 de outubro de 2020









terça-feira, 29 de setembro de 2020

A Última Valsa


Edmundo, estatura média, rosto macerado de rugas lavradas por sessenta e oito anos de vida, olhou para a entrada da casa onde tantas vezes estivera. A música escutava-se cá fora e as batidas sentiam-se no peito. Estava hesitante. Há vários anos que não entrava naquele sítio, onde vivera tantas horas de diversão. Parecia tudo na mesma, ele é que era uma sombra do que fora.

Olhou para os seus dois amigos, como que para confirmar se o deveria fazer. António fez um sorriso triste, mas incentivador e Joaquim, de lágrimas nos olhos, acenou-lhe afirmativamente e deu-lhe uma pequena palmada nas costas. Ambos eram mais novos que ele uns bons dez anos, mas, desde que se conheceram numa escola de dança há mais de duas décadas, tornaram-se inseparáveis e as respetivas mulheres amigas para sempre… até Alice ter partido.

Aceitou o incentivo e sentindo o coração bater apressadamente, como se fosse outra vez um adolescente, lançou as pernas a subir a escada que levava ao primeiro piso, onde há muitos anos se faziam aqueles bailes semanais.

A música ensurdecedora, o salão cheio, a multidão dançante, traziam um prazer e uma adrenalina que já não se lembrava como lhe faziam falta e como fizeram parte da sua vida durante uma grande extensão dela… sempre acompanhado da sua Alice. Desde a juventude, ambos jovens e virginais, dançavam na romaria da aldeia, ao som de bombos e violas desafinadas, tentando passar despercebidos das velhas comadres, que eram capazes de encher de epítetos pouco nobres, até a mais casta das criaturas. Depois, casados, continuaram a correr todas as festas que podiam, sempre que o tempo ou o trabalho deixavam. Quando migraram para a cidade, a mudança de ares obrigou à mudança de atitudes, mas a dança fez sempre parte das suas vidas.

O grupo de cinco ocupou a mesa previamente reservada, como sempre foi hábito. Edmundo ficou sentado, embevecido, a apreciar os dançarinos de diferentes graus de habilidade, que alegremente rodavam em volta da pista. Há quantos anos ele e Alice fizeram parte dessa mole humana, encantada pelos acordes mais ou menos maviosos dos músicos? Parecia uma eternidade, mas, na verdade, fora há apenas seis anos a última vez que ali estivera. A sua mulher, eterna companheira, já não aguentava sequer subir as escadas, os pulmões inexoravelmente consumidos pela doença prolongada que acabou por a levar.

  Os seus amigos rodavam alegremente na pista ao som das músicas por demais ouvidas e outras nem tanto. O grupo era desconhecido, afinal havia novidades naquele mundo, que ele achava, tinha parado no tempo com a sua ausência.

De súbito, Madalena, a mulher de António, possivelmente instruída por este último, veio buscá-lo para dançar. Ele olhou o amigo, surpreendido e deparou com um sorriso aberto e incentivador.

Lentamente avançaram para a pista, ela era uma bela e elegante mulher, um pouco mais alta que ele e o vestido justo fazia-a ainda mais deslumbrante. Edmundo sentiu-se muito feliz enquanto os acordes do bolero gradualmente acordavam em seu corpo o dançarino de outras eras. Dançaram mais duas vezes, apesar dos seus joelhos e costas rangerem de contrariedade.

Terminada a melodia, agradeceu à amiga e pediu para se sentar, para recuperar de um esforço a que já não estava habituado e uma vez mais, apreciou-a, satisfeito, quando ela partiu para nova dança, desta vez com o marido. Também Alice se preparava bem quando “iam ao baile”, conforme se referiam aos encontros mais ou menos semanais, nos salões de dança da região. Ela vestia os seus melhores vestidos, pintava uma pequena sombra nos olhos e dava um brilho nos lábios, que nunca fora de grandes pinturas. Mas para ele, era uma princesa a seu lado, que lhe concedera a subida honra de a acompanhar… mesmo quando o seu corpo começou a ficar pesado pelo descontrolo hormonal e mais tarde demasiado magro, por não conseguir alimentar-se.

Agora era Fernanda, a mulher de Joaquim, quem o convidava, também esse amigo estava feliz, porque ele assim o estava. Era uma forma de lhe darem as boas vindas ao grupo.

Dançaram um tango e logo de seguida uma valsa, para que se não adormecesse na pista e Edmundo teve de parar mais um pouco, com o velho coração a galopar furiosamente.

Sentou-se, com um largo sorriso de agradecimento para os seus grandes amigos, pois era a primeira vez que estava realmente feliz, desde que Alice caíra ao levantar-se da cama e não conseguira mais suster-se pelo seu pé. Este era o primeiro dia em que o seu sorriso era verdadeiro e não um pobre consolo para alguém que se finava a olhos vistos, numa lenta agonia de quatro anos, até se acabar de vez, há dois.

Mas hoje era um dia de felicidade e resolveu fechar os olhos um pouco, mantendo o enorme sorriso nos lábios. O seu corpo relaxou e sentiu uma grande paz.

Sonhava. O salão já não era o salão, era o imenso céu azul, onde fulgurava o sol, numa esplêndida tarde de verão. Os músicos não tocavam boleros, mas sim as pouco afinadas modas da sua juventude, onde conseguiu distinguir a rabeca do ti Feliciano e o tambor do Zé Pedreiro.

Os seus amigos aperceberam-se que algo não estava bem e chamaram-no e abanaram-no insistentemente. Ele não os escutava, não deixaria que o tirassem do seu sonho, nem quando um homem ajudou a deitá-lo e iniciou manobras de reanimação. Todo o salão parou, perante a agitação em volta de Edmundo.

Ele já não se interessava. Os dançarinos já não vestiam as roupas modernas e dançavam alegremente, levantando a poeira do chão de terra batida. De repente, lá estava ela a caminhar ao seu encontro; o vestido de alças aos quadrados vermelhos e as sandálias de couro da mesma cor. Os cabelos negros e longos que lhe desciam pelas costas, encimavam o belo rosto, sem mácula, da sorridente Alice com quinze anos. Ele ergueu-se, sem dores nem cansaços e viu que a mão que lhe estendia, não era esquálida ou peluda, nem manchada pela idade. E assim, sorrindo de felicidade, lançaram-se na dança, desfrutando da primavera da vida.



quinta-feira, 17 de setembro de 2020

Nova entrevista na revista "Divulga Escritor"

 



Já saiu a edição de setembro de 2020 da revista Divulga Escritor, com a qual colaboro de tempos em tempos e, à semelhança do que tenho feito com os anteriores lançamentos de livros, aqui está uma entrevista dedicada ao meu último trabalho, intitulado "Entre o Preto e o Branco".




A "Divulga Escritor" tem feito um bom trabalho a ajudar os escritores e as suas obras a serem conhecidos fora da sua área normal de "convivência" e a trazer conhecimento mútuo entre os amantes das letras do mundo lusófono.


Resta-me desejar que a revista e a sua editora, a jovem e bela Shirley Cavalcante, não desanime desta sua demanda e continue a ajudar à divulgação dos escritores de língua portuguesa.










   

quarta-feira, 9 de setembro de 2020

Por trás da objectiva

 



Não deixes os teus olhos parar de sorrir e imagina que estou eu, por trás da objectiva, a ver o teu belo e saudoso rosto.

Como que numa outra dimensão, intangível, separados apenas por um vidro côncavo, que mostra as imagens invertidas, mas é capaz de revelar a alma.

Tenho a certeza que os teus olhos ainda sorriem e brilham como estrelas em céu de veludo, como eu os vi cintilar um dia, há milénios.

Desfasada pela lente, pareces distante e triste, esquecida de quem és, mas aqui estou eu, do outro lado da imagem, para te recordar. Eu sou aquele que não se vê, a parte da foto em que ninguém pensa, mas que é o fulcro dos teus olhos.

Não podes por isso esquecer-te de os fazer brilhar, de ofuscar os que te rodeiam, com a força e a vida que tens dentro de ti.

O teu brilho está aí, onde sempre esteve, dentro do teu peito, onde deitaste essa cortina escura, que oculta o mundo na penumbra. Não deixes esmorecer a tua luz maravilhosa.

Alegra esses teus olhos, brilha para mim, ainda que apenas alguns segundos.


segunda-feira, 31 de agosto de 2020

Os mortos do meu Facebook



Há uns dias, numa das suas muitas funcionalidades, o Facebook trouxe-me uma memória de há uns anos atrás: a avaliação muito positiva que uma boa amiga fez da leitura de um dos meus livros... poderia ser uma memória feliz, não fosse dar-se o caso dessa amiga ter falecido há poucos meses.
Senti um aperto no coração e verti uma lágrima envergonhada (porque os homens não choram, dizem por aí). Entrei no perfil da minha amiga, que continuava ativo e estive a ver algumas fotografias dela e de alguns amigos em comum.
Depois lembrei-me de procurar por outros que comigo privaram e que já passaram a ténue, mas opaca, fronteira que separa a vida da morte. Ali encontrei nomes queridos, gente jovem e outros assim assim, desaparecidos do mundo dos vivos, mas ainda presentes no mundo virtual do “Livro dos Rostos”.
Revisitei dores antigas e senti a saudade dos sorrisos daqueles que partiram, imortalizados para sempre em pixels coloridos, depositados numa nuvem indistinta de exabytes, que ninguém sabe exatamente onde mora.
Recordei a dor pessoal, nas semanas seguintes ao desaparecimento do meu próprio pai, cada vez que via o seu saudoso rosto na minha lista de amigos ou em antigas partilhas, até pedirmos a eliminação do seu perfil.
O Facebook não está preparado para a morte e os rostos dos que se foram, ali continuam, sorridentes e imortais, ferindo como setas os corações desprevenidos daqueles que os amavam. Continua a mandar notificações dos aniversários, que já não cumprem e a recordar-nos de tempos cheios de vida em que nos falavam, ou comentávamos as mesmas publicações.
Lentamente, localizei um a um estes resquícios de tempos felizes, que já se foram e fui removendo as amizades, como que libertando as amarras que prendiam uma existência que já não o era a outra que tenta subsistir.
Adeus Sandra, amiga e leitora fervorosa, adeus Rui, tranquilo, de humor subtil, adeus Pires, divertido e com pressa de viver, adeus Teresa, temperamento desconfiado, mas de coração grande, adeus Virgínia de riso fácil, que via sempre o lado divertido de tudo.
Como se estivesse no fundo de um mar escuro, vendo a luz rebrilhando lá muito longe, na superfície, libertei cada um dos meus amigos que saíam a “esvoaçar”, livres e flutuantes, em direção à luz.

sábado, 29 de agosto de 2020

Campónios e Extraterrestres

 


O sol principiava grandiosamente a aparecer no topo das montanhas a leste. Raios de fogo projetavam-se em todas as direções, anunciando a chegada do astro-rei e o início de um novo dia.

Caminhando no trilho calcado que seguia entre as árvores, o homem conhecido por Tone Canhoto, bufava com as costas carregadas por um grande saco de lona. Trazia um chapéu surrado e envergava um casaco demasiado grande. À cinta, no pedaço de couro que lhe segurava as calças, que não chegavam às botas cansadas, uma faca e a coronha decorada de uma pistola de fecho de pederneira espreitavam.

Repentinamente, apercebeu-se que não seguia ninguém atrás dele e pousou o saco no chão, olhando em volta, confundido.

— Xico…? — Chamou quase a medo. — Zé?

Ninguém respondia e não havia meio de aparecer alguém, nos cerca de cinquenta metros de caminho que conseguia ver até à curva.

— Raios partam… — Gemeu baixinho. — Onde demónios se encafuaram aqueles dois?

Com esforço, tornou a carregar o saco nas costas e avançou em sentido contrário, a procurar os companheiros.

— Vais morrer!!! — Uma voz forte gritou de entre as árvores, enquanto dois vultos lhe saltam ao caminho.

— Credo, em Cruz, mãe de Deus! — O Canhoto arregalou os olhos de susto e soltou um grito estrangulado, antes de reconhecer os amigos, que riam do terror que lhe haviam infligido. — Seus gandulos, artajeiros! Quase que me esfoiro todo de susto!

— Só queria que visses a tua fuça! — O mais magro do trio, chorava a rir encostado a uma árvore.

— Mijaste-te, maninho? — Também o mais forte, a quem chamavam de Xico Zangão, tinha lágrimas de tanto gargalhar.

— Ah, vão à merda. Isto não se faz. — O Canhoto ainda tinha as pernas a tremer.

— Coitadinho… — O mais magro, conhecido por Zé Patranhas, fez menção de o acarinhar, mas foi prontamente sacudido.

— Sai-te daqui! Pincha-Grilos de um raio! Andas sempre à turra e à maça com o meu irmão, mas me fazerem galdrumeiras, já se ajuntam!

— Então, Tone. — Tornou o Xico. — Não sejas assim! Borraste as ceroulas foi? — Soltou nova gargalhada em uníssono com o Zé.

— Raio que vos pele! — Amuou Tone, alombando novamente o saco e virando-lhes as costas, retomando o caminho.

Os outros dois, ainda a rir, correram a buscar os seus sacos, que esconderam no mato e tornaram para junto do companheiro, para o atazanar mais um pouco.

— Valeu a pena assaltar a casa do velho Menezes ou não valeu? — O Patranhas queria reconhecimento. — O Badocha deu-nos uma boa dica.

— Até gostava de voltar lá… — Riu o Canhoto. — A criadita era bem engraçada.

— Mesmo a mulher do Menezes… Vejam lá aquele velho asqueroso com uma lasca daquelas! — Acrescentou o Zangão. — E sorria-se toda para mim, parecia até que gostava de ser assaltada.

— E gostava! — Gargalhou o Patranhas. — Estava toda consolada, que eu estava a apalpar-lhe as cascas!

— Mentiroso! — Xico enfureceu-se. — Pantominas de um raio…

— Vá, calem-se lá. Já vão começar novamente? — Interveio Tone, conciliador. — Temos aqui um bom saque para dividir e ir vender ao Galego de Chaves. Ou só se juntam contra mim?

Ai, é verdade! — Xico soltou uma sonora gargalhada. — Precisavas mesmo ver as tuas ventas de cagaço!

Enquanto estavam nestas brincadeiras, um enorme objeto voador, fortemente iluminado, passou a baixa altitude, quase roçando as copas das arvores e levantando uma nuvem de poeira, folhas e ramos soltos. Logo de seguida, o silvo grave que perseguia o objeto, ensurdeceu-os por segundos, até tudo se quedar num silêncio pesado. Uma enorme árvore seca caiu mais à frente.

— Que demónios foi isto? — Perguntou o Patranhas assustadíssimo.

— Vinha a voar, com muita luz! Era um anjo! — Exclamou o Canhoto.

— Com aquele barulho dos infernos?!? — Discordou o Zangão. — Era na certa obra do mafarrico!

— Vamos embora, depressa. — O Zé não tirava os olhos da direção tomada pelo estranho objeto.

— Acho que está ali, por trás daquelas árvores. Vêm-se as luzes. — Apontou Tone. — Deve estar naquela clareira que há ali abaixo.

— Vou lá espreitar. — Anunciou o Zangão.

— É melhor não… — O Patranhas tremia visivelmente. — Anjo ou demónio, pode não gostar de ser visto.

— Sim, acho que seja lá o que for, devemos deixá-lo em paz… — Concordou o Canhoto, para as costas do irmão, que abandonara o saco no chão e já se pusera a caminho.

— Oh, raios me partam, lá vai ele meter-nos em sarilhos! — A voz do Zé também tremia. — Com homens grandes ou mal-encarados eu cá me entendo, mas com estas coisas, não gosto nada de estar por perto.

Como o companheiro os ignorasse e, de varapau na mão, descesse o carreiro na direção da clareira, os outros dois olharam um para o outro, indecisos.

— É meu irmão… — Desculpou-se o Canhoto, empunhando a sua pistola.

Sozinho no caminho, o Patranhas olhou em volta, para as árvores ainda envolvidas nas sombras da madrugada. Ficar ali, enquanto eles iam, também não lhe parecia grande ideia. Num resmungar choramingado, ocultou na vegetação os sacos abandonados no caminho e correu atrás dos companheiros. Tirou a pistola do cinto e armou-a. Eles já estavam escondidos na vegetação, fora da estrada e fizeram-lhe o gesto para que se aproximasse em silêncio.

Para além das giestas e ramos onde se acoitavam, existia uma enorme clareira de mato rasteiro, onde se arrastava um pequeno ribeiro, que se tornava um colosso com as chuvas invernais. Eles chamavam-lhe a praça dos recos bravos, pois, normalmente, viam-se imensos por ali. Grande parte da clareira estava ocupada pelo que parecia ser uma imensa, luminosa e fumegante casa sem janelas. Havia forte emanação de calor a partir da inusitada construção.

Quando o Patranhas ia manifestar o seu espanto, o Zangão voltou a gesticular para que fizesse silêncio e apontou para o lado direito, onde estavam quatro pequenas pessoas, vestindo o que parecia ser uma roupa cinzenta, que os cobria da cabeça aos pés.

Os elementos do pequeno e estranho grupo gesticulavam entre eles, apontando o céu e emitindo assobios e estalidos. Com o que parecia um pequeno graveto luminoso, um deles começou a escrevinhar em pleno ar; o extraordinário, é que os gatafunhos apareciam e ficavam estáticos na frente dele. Um outro, apagava alguns símbolos e substituía-os, numa aparente correção, enquanto tagarelavam animadamente.

— Aquela porcaria pode valer uma pipa de moedas! — Sussurrou o Canhoto, olhando espantado para os outros dois.

— Vamos botar-nos a eles. — Sentenciou o Zangão. — Aparecemos-lhes de três lados diferentes. Eu quero uma caneta daquelas, como não sei escrever, pode ser que com ela não seja preciso.

— Mas… já viste? — Observou o Patranhas, pouco animado. — Eles são tão estranhos… que tipo de bicho ou coisa são eles?

— São de fora, que queres? Não podem usar os paramentos que quiserem? — Simplificou o Zangão, sussurrando. — Por mim, podiam vestir a albarda do cavalo, ou a sotaina do prior. — E continuou como quem fala com crianças. — Aparecemos; tu e o meu irmão apontam-lhes as pistolas, eu dou uma barduada ou duas, se for necessário, pegamos o que queremos e chispamos daqui para fora. Agora vamos!

— Xico. — Também Tone estava preocupado. — Aquilo parece mesmo bruxaria…

Enquanto estão neste debate, um dos estranhos pega num pequeno retângulo e começa, como que olhando através dele, efetuando um semicírculo em volta da sua localização. Quando fica alinhado com a posição em que se encontravam os nossos assaltantes, pára e chama o companheiro com um gesto. Os dois olham pelo retângulo e depois sem ele. Os três amigos perceberam que tinham, de alguma maneira, sido detetados.

— Tem de ser agora, já! — Ordenou Xico erguendo-se e caminhando temerariamente na direção dos estranhos, de varapau em punho.

— Maldição! — Exclamou o Canhoto, erguendo-se também, mas engatilhando a pistola.

— Lá vamos nós arranjar problemas por causa deste torgueiro! — Gemeu Zé, seguindo os companheiros.

— Santa manhã, amigos! — Exclamou o Zangão para os quatro surpreendidos estranhos. — Tendes aí uma casa muito bonita.

— E também umas coisas interessantes. — Complementou Tone. — Vamos aliviar-vos do peso delas.

Os símbolos flutuantes desapareceram e os estrangeiros cinzentos começaram a gesticular e a emitir os assobios e estalidos entre eles, apontando os recém-chegados.

Percebendo a ameaça, o que estivera a escrever no ar, fez um pequeno gesto com a "caneta" e as pistolas dos dois assaltantes saltaram-lhes das mãos e colaram-se ao chão milagrosamente. O mesmo caminho seguiu o punhal do Canhoto que, no trajeto, cortou o pedaço de couro que lhes servia de cinto, deixando-o literalmente com as calças na mão. Não aconteceu o mesmo ao Patranhas, porque o cinturão era mais resistente e ele conseguiu livrar-se da faca irresistivelmente atraída para o solo. O Zangão viu-se de repente o único com uma arma e carregou sobre eles soltando um chorrilho de palavrões.

Outro dos cinzentos conseguiu, do que parecia uma mão vazia, atirar uma rede de fios finíssimos, que crescia à medida que voava na direção do atacante. A teia caiu sobre o assaltante e colou-se fortemente aos braços e às pernas fazendo-o cair.

Com o elemento mais forte imobilizado, o Patranhas e o Canhoto perceberam que precisavam de uma nova estratégia. Após uma fração de segundo de hesitação, fugiram para o mato.

O cinzento que atirara a teia, obviamente o chefe, fez um gesto aos restantes, que saíram a correr atrás dos fugitivos.

— Solta-me desta merda, espantalho! — Gritava o Zangão debatendo-se.

O chefe ignorava-o. Olhava para o pequeno retângulo com que os localizara e emitia os ruídos da sua fala, dando instruções aos companheiros.

— Quando me soltar desta bosta, vai levar tantas… — Insistia o Zangão.

O cinzento dignou-se a deitar-lhe um olhar do seu rosto inexpressivo, que quase não tinha nariz entre os enormes olhos negros e cuja boca era pouco mais do que uma fissura sem lábios. Apontou-lhe a palma da mão e saiu outra das teias de aranha, mais pequena, que se colou na cara do furioso Xico. Com a mão esquelética de quatro dedos, compôs a cola sobre a boca do prisioneiro, de forma a reduzir os seus gritos a irados grunhidos. Após isso, ergueu elegantemente a mão atravessada sobre a sua própria boca, numa caricatura do sinal de silêncio. Depois regressou ao acompanhamento da caçada.

Não tardou que os três cinzentos regressassem com os dois aterrorizados amigos, o Canhoto ainda a segurar as calças. Mas é nesse momento que se dá a reviravolta; o furioso Zangão está a conseguir soltar-se das teias que o prendiam. Os incrédulos cinzentos olham para o homem a cortar os fios com uma faca.

— Vocês estão tão, mas tão f**! — Exclamou Xico empunhando a arma. — Isto! — Exibiu triunfalmente. — É uma lâmina de osso, não de metal!

Mas mesmo assim, orgulhosamente, colocou a arma no cinto e pegou no bordão.

— Agora vou mostrar-vos com quantos paus se faz uma canoa! — Gritou Zangão começando a perseguir os apavorados cinzentos, que emitiam assobios aflitos.

Depois de uma curta, mas intensa perseguição, onde eles conseguiram furtar-se por pouco aos golpes de varapau, os quatro estranhos conseguiram reunir-se junto da estrutura e uma luz azul envolveu-os.

As pauladas de Xico estouravam ruidosamente sobre a luz azul, mas não conseguiam atingir os cinzentos, que mesmo assim se encolhiam de medo.

Tone e Quim, finalmente se recuperavam do medo e, vendo as criaturas encurraladas, atiravam-lhes com o que podiam, embora tudo fosse repulso pelo halo azul. O chefe das criaturas parecia escrever febrilmente no retângulo que já antes usara.

Por fim, abriu-se uma porta atrás dos cinzentos, de onde provinha uma fortíssima luz branca e eles correram de imediato para ela. Assim que a porta se fechou, o azul que os envolvia desapareceu e o Zangão conseguiu aproximar-se estrutura. Estranhou não ser metal nem madeira, nem nada que reconhecesse, mas era sólido o suficiente para o seu bordão e ele usou-o por várias vezes.

— Saiam daí, seus vassouros, venham cá para fora! — Gritava Xico. — Covardes!

Repentinamente, toda a estrutura ficou envolvida pela luz azul e os três amigos foram projetados para trás com violência. De seguida levantou voo silenciosamente e desapareceu em segundos no céu azul.

— Eu não disse que era bruxaria? — Gemeu o Canhoto sentado no chão. — Escapamos de boa.

— Escapamos? — O Zangão olhou para o irmão. — Eles é que nem sabem do que se safaram! Estiveram por um pelo de levar um chuveiro de barduadas, que tão cedo não esqueceriam!

— Este raivoso do catano! — Exclamou o Patranhas. — Está sempre a meter-nos em alhadas!

— Raivoso? — O Zangão ergueu-se com o varapau em riste. — Seu aldrúbias canastrão! Olha que eu…

— Lá estão eles outra vez! — O canhoto levantou-se e virou costas aos dois amigos que discutiam acaloradamente.

 

 

(Nota do autor: Este acontecimento deu-se algures no século XIX, mas acredito que, por causa dele, são pouco vulgares em Portugal os fenómenos envolvendo extraterrestres ou OVNIs)

quarta-feira, 29 de julho de 2020

Sem Te Olhar Nos Olhos


Com quase setenta anos, João Henrique Antunes era ainda um homem elegante e bem-parecido. Naquele frio fim de tarde de março, hesitava frente à capela mortuária, debaixo do céu cinzento de nuvens ameaçadoras. Algumas das pessoas que entravam, olhavam-no com curiosidade.
Por fim, encheu o peito de ar e subiu os quatro degraus necessários para atravessar o umbral.
Lá dentro estava quente. Viam-se irradiadores nas paredes laterais. No centro da nave estava um caixão coberto de flores, com muitas mais no chão. De um lado e outro do esquife, pessoas sentadas e, aqui e além, pequenos grupos que conversavam em voz baixa. Todos olharam o recém-chegado com variados graus de curiosidade e persistência, mas a maioria regressou ao que estava a fazer.
João, após mirar rapidamente os presentes, despiu o sobretudo azul escuro e colocou-o sobre o braço, dirigindo-se depois à mesa, onde se encontrava o livro de condolências. Por uns segundos, repousou os olhos azuis sobre a foto ao lado do livro. A mesma fotografia que vira no jornal: Eduarda, mais de quarenta anos depois! Embora a dor que ela provocou na altura, estivesse bem gravada na memória. Estava mais velha, claro, mas envelhecera bem, continuava bela. Os olhos castanhos e o rosto moreno, adornado pelo cabelo, agora branco, era a mulher que ele gostaria de ter a seu lado. Ele, que estava viúvo há mais de dez anos.
Assinou o livro com a caligrafia quase ilegível, que lhe era característica e acrescentou “Eterna Saudade”, enquanto pensava quantas vezes, noutros casos, tinha dito estas duas palavras tão sentidas, sem que significassem praticamente nada.
Encarou então as pessoas à volta do ataúde. Reconheceu um ou dois rostos, de amigos dela, mas de quem já nem recordava o nome, mas distinguiu o irmão de Eduarda, que aparentemente não tinha tirado os olhos dele, desde que chegara.
Altivamente, costas bem direitas, dirigiu-se a ele, Pedro, que sempre o culpara de algo que ele suspeitava o que era, mas nunca teve a certeza. Estendeu a mão num cumprimento, a que o outro tardou em responder, fitando-a como se tivesse lepra. Por fim, Pedro ergueu-se, apertou-lhe a mão e abraçou-o, dizendo-lhe ao ouvido: “Que fazes aqui? Não sabes que não és bem-vindo?”
João afastou-se ligeiramente do homem, fitou-o nos olhos, tão parecidos com os da irmã e com um sorriso triste, respondeu-lhe, num meio sussurro: “Os meus sentimentos pela tua perda.”
Depois, virou-lhe simplesmente as costas, para olhar o corpo em repouso no caixão. Parecia mais pequena, embora ela nunca tivesse sido grande. A mulher pequena e turbulenta, que fez as delícias da sua vida, por cerca de três anos. Apesar do seu tamanho, quando o deixou, ficou um enorme espaço vazio, que nunca ninguém conseguiu preencher… e ele bem tinha tentado.
As memórias daquela época, os finais da década de 1980, estavam bem frescas na sua memória. Com vinte e oito anos, estava num período excelente no departamento de marketing da empresa onde trabalhava; ganhava bem, era amigo do patrão e o mundo sorria-lhe, principalmente a parte feminina. Vivia com Eduarda há três anos, que conhecera no casamento do irmão, Pedro, com quem se fizera amigo na faculdade.
Eduarda conseguia encher uma casa, a falar e a rir das suas próprias palavras. Tinha sempre tema de conversa e ele recordava-se de muitas vezes lhe ter pedido para se acalmar e falar menos, que estava cansado de a ouvir. Não imaginava, na altura, como haveria de lhe sentir a falta.
— Não ouviste o que te disse? — Insistiu Pedro, sobre o ombro, em voz baixa.
— Sim, ouvi. — Respondeu João asperamente, no mesmo tom, sem se voltar. — Não tens o direito de decidir isso, como não tinhas o direito de te intrometer.
— Ela era minha irmã! — O outro começou a alterar-se.
— Acalma-te e senta-te, não queiras dar espetáculo. — Tornou João, mais conciliador. — Tua irmã, mas minha mulher, a tua intromissão entre nós, deu no que deu.
— O quê?!? — Pedro ficou lívido. — Queres justificar os teus atos com a minha intromissão? Eu tive de intervir, para a defender das tuas atitudes. Porque foste tu que a afastaste! Eu só colaborei naquilo que ela me pediu: que nunca te dissesse onde ela estava.
— Era minha mulher e eu tinha o direito de saber, de lhe perguntar porque me abandonou, se estava tudo bem entre nós. — João voltou-se para o interlocutor. — Tinha direito a uma segunda oportunidade…
— …ou terceira, ou quarta… — Continuou o outro com um sorriso de escárnio. — Estavas sempre a traí-la! Foi por isso que te abandonou!
Os presentes estavam a ficar nervosos com a conversa dos dois, cada vez mais alterados.
— Senhores, por favor. Respeitem ao menos a mulher, que aqui está deitada. — Um outro homem, dos seus quarenta anos, logo seguido por uma mulher pouco mais nova, aproximaram-se. — Tio, então? — Dirigiu-se a Pedro que, assim admoestado, virou costas e abandonou a capela.
— As minhas desculpas, não devia ter cedido à provocação. — Pediu João. — Eu sou ex-marido da Eduarda e…
— Sim, a minha mãe disse-me, pouco tempo antes de falecer, que poderia aparecer por aqui. — Continuou o homem. — Meu nome é Henrique e sou o filho mais velho, esta é a minha irmã, Idalina.
Olharam-se nos olhos e a João pareceu-lhe ver uma versão de si próprio quando era mais novo. Não lhe faltavam os olhos aquosos azuis e o nome parecia um carimbo de identificação. Já Idalina, tinha os olhos castanhos e pequenos da Eduarda.
— A minha mãe deixou-me uma carta para si. — Também Henrique parecia perturbado com aquela semelhança, enquanto lhe entregava um envelope. — A doença que a levou, foi lenta a consumi-la e ela teve tempo de sobra, para preparar as despedidas. A carta, disse-me, já está escrita há muitos anos, mas nunca teve coragem de a enviar. Não sei o que diz, não abri, mas também não quero saber exatamente quem é você, nem o que fez à minha mãe. Por favor, leia-a lá fora e… agradeço que não volte.
Derrotado, consciente de ter estado a falar com o seu próprio filho, abandonou a capela, sentindo dezenas de olhos nas costas. Lá fora, atravessou o olhar azedo de Pedro, envolto em baforadas nervosas de fumo, mas seguiu em sentido contrário, para evitar retomar uma discussão velha de quarenta anos.
Sentou-se num dos bancos de pedra, oculto das vistas de quem circulasse por ali e abriu o sobrescrito, que revelou uma cola ressequida e soltou pequenos grãos de pó. Lá dentro havia uma folha escrita e uma fotografia de Eduarda, a perder cor e ligeiramente desenquadrada, mas linda como ela era há quarenta e muitos anos. Os olhos aparentavam ter estado a chorar, mas era ela, a mulher que sempre amara. É verdade que a traíra algumas vezes, que ela descobrira uma e outras não, mas ela perdoara sempre e retomavam a relação ainda com mais força que antes.
Foi numa dessas alturas que ela se fora. Tinham discutido por causa de uma colega do emprego, a Lurdes, mas fizeram as pazes. Uma vez mais ele tinha prometido que não teria mais nada com ela. Dois dias depois, Eduarda foi-se embora, sem uma palavra; quando ele regressou do emprego, simplesmente todos os vestígios da presença dela haviam desaparecido.
Nos dias seguintes iria aumentar o desespero, à medida que as colegas de trabalho diziam que não a viram e que já não ia ao emprego há uns dias. Por fim, procurou Pedro, que o recebeu com “quatro pedras na mão” e lhe disse que a irmã estava bem. Bem melhor agora, que estava longe de João. Não queria vê-lo mais e pedia que não a procurasse.
Inicialmente, ainda pensou seguir o irmão, ou mandar segui-lo, para perceber onde ela se acoitava, mas depois, o orgulho foi mais forte e achou que ela haveria de voltar. Mas à medida que o tempo se passava, foi-se deixando abater até que um dia, bebido além da conta, foi fazer uma cena à casa de Pedro e acabaram à pancada. A mulher dele chamou a polícia e João foi proibido de se aproximar dele. O orgulho e a vergonha fizeram com que nunca mais a procurasse.
Ao retirar a carta de dentro do sobrescrito parecia sentir já o peso da acusação sobre ele.
A folha estava amarelada e datava de três anos após o ter deixado. Estava escrita a esferográfica azul, naquela caligrafia tão feminina que ela tinha e rezava assim:

11 de abril de 1991
João, meu amor.
Penso que ainda te posso chamar assim, porque, apesar de tudo, o meu amor por ti é que me levou a tomar a atitude que tomei. O problema principal é que tu não consegues ter apenas uma mulher e eu não consigo deixar de te perdoar… e fico a odiar-me por isso.
Cada vez que me olhas com os teus olhos de anjo, me pedes perdão e dizes que não se volta a repetir, eu sei que é apenas um intervalo. Por trás desse olhar doce, há um coração volúvel, que, por muito amor que me tenha, não se consegue preencher só comigo.
Só agora, sem te olhar nos olhos e quase três anos depois, me sinto com coragem para te dizer o que me vai no coração. Temo, porém, que te sintas encorajado a procurar-me e, uma vez mais, me faças cair na teia dos teus encantos, onde eu sei que sou enganada e não me importo. Não o faças por favor.
Casei com um homem bom e companheiro, que não teve qualquer pejo em cuidar do teu filho, como se dele fosse. Sim, eu estava grávida quando me vim embora e agora estou novamente, desta vez deste homem puro, que não me vai trocar por outra na primeira oportunidade.
Foi-me insuportável, depois de me garantires que não tornavas a sair com a Lurdes, eu descobrir, sem querer, que continuavas a fazê-lo. Só que desta vez, não precisei que me dissessem, vi-o com os meus olhos e tens a prova na tua mão.
Recebe um beijo desta que te ama e continua a tua vida, livre das amarras que te prendiam a mim, preenchendo o teu coração com quantas mulheres conseguires.
Sempre com muito amor, Eduarda.

PS: Depois de muito pensar, decidi não te enviar esta mensagem, não quero correr o risco de que me faças destruir este casamento. Talvez um dia me decida a dar-ta, quando já for tarde demais para me quereres, ou eu a ti.

Sentiu-se atordoado com a catadupa de informação que recebera, ela não o deixara porque tinha outro, ou porque não o amava, mas porque sabia que estava a ser traída novamente. A prova em sua mão?!?
Olhou de novo a fotografia mal-enquadrada da bela Eduarda e percebeu que, em segundo plano, ele próprio e Lurdes, beijavam-se, acoitados no umbral de uma porta.



Manuel Amaro Mendonça