terça-feira, 29 de setembro de 2020

A Última Valsa


Edmundo, estatura média, rosto macerado de rugas lavradas por sessenta e oito anos de vida, olhou para a entrada da casa onde tantas vezes estivera. A música escutava-se cá fora e as batidas sentiam-se no peito. Estava hesitante. Há vários anos que não entrava naquele sítio, onde vivera tantas horas de diversão. Parecia tudo na mesma, ele é que era uma sombra do que fora.

Olhou para os seus dois amigos, como que para confirmar se o deveria fazer. António fez um sorriso triste, mas incentivador e Joaquim, de lágrimas nos olhos, acenou-lhe afirmativamente e deu-lhe uma pequena palmada nas costas. Ambos eram mais novos que ele uns bons dez anos, mas, desde que se conheceram numa escola de dança há mais de duas décadas, tornaram-se inseparáveis e as respetivas mulheres amigas para sempre… até Alice ter partido.

Aceitou o incentivo e sentindo o coração bater apressadamente, como se fosse outra vez um adolescente, lançou as pernas a subir a escada que levava ao primeiro piso, onde há muitos anos se faziam aqueles bailes semanais.

A música ensurdecedora, o salão cheio, a multidão dançante, traziam um prazer e uma adrenalina que já não se lembrava como lhe faziam falta e como fizeram parte da sua vida durante uma grande extensão dela… sempre acompanhado da sua Alice. Desde a juventude, ambos jovens e virginais, dançavam na romaria da aldeia, ao som de bombos e violas desafinadas, tentando passar despercebidos das velhas comadres, que eram capazes de encher de epítetos pouco nobres, até a mais casta das criaturas. Depois, casados, continuaram a correr todas as festas que podiam, sempre que o tempo ou o trabalho deixavam. Quando migraram para a cidade, a mudança de ares obrigou à mudança de atitudes, mas a dança fez sempre parte das suas vidas.

O grupo de cinco ocupou a mesa previamente reservada, como sempre foi hábito. Edmundo ficou sentado, embevecido, a apreciar os dançarinos de diferentes graus de habilidade, que alegremente rodavam em volta da pista. Há quantos anos ele e Alice fizeram parte dessa mole humana, encantada pelos acordes mais ou menos maviosos dos músicos? Parecia uma eternidade, mas, na verdade, fora há apenas seis anos a última vez que ali estivera. A sua mulher, eterna companheira, já não aguentava sequer subir as escadas, os pulmões inexoravelmente consumidos pela doença prolongada que acabou por a levar.

  Os seus amigos rodavam alegremente na pista ao som das músicas por demais ouvidas e outras nem tanto. O grupo era desconhecido, afinal havia novidades naquele mundo, que ele achava, tinha parado no tempo com a sua ausência.

De súbito, Madalena, a mulher de António, possivelmente instruída por este último, veio buscá-lo para dançar. Ele olhou o amigo, surpreendido e deparou com um sorriso aberto e incentivador.

Lentamente avançaram para a pista, ela era uma bela e elegante mulher, um pouco mais alta que ele e o vestido justo fazia-a ainda mais deslumbrante. Edmundo sentiu-se muito feliz enquanto os acordes do bolero gradualmente acordavam em seu corpo o dançarino de outras eras. Dançaram mais duas vezes, apesar dos seus joelhos e costas rangerem de contrariedade.

Terminada a melodia, agradeceu à amiga e pediu para se sentar, para recuperar de um esforço a que já não estava habituado e uma vez mais, apreciou-a, satisfeito, quando ela partiu para nova dança, desta vez com o marido. Também Alice se preparava bem quando “iam ao baile”, conforme se referiam aos encontros mais ou menos semanais, nos salões de dança da região. Ela vestia os seus melhores vestidos, pintava uma pequena sombra nos olhos e dava um brilho nos lábios, que nunca fora de grandes pinturas. Mas para ele, era uma princesa a seu lado, que lhe concedera a subida honra de a acompanhar… mesmo quando o seu corpo começou a ficar pesado pelo descontrolo hormonal e mais tarde demasiado magro, por não conseguir alimentar-se.

Agora era Fernanda, a mulher de Joaquim, quem o convidava, também esse amigo estava feliz, porque ele assim o estava. Era uma forma de lhe darem as boas vindas ao grupo.

Dançaram um tango e logo de seguida uma valsa, para que se não adormecesse na pista e Edmundo teve de parar mais um pouco, com o velho coração a galopar furiosamente.

Sentou-se, com um largo sorriso de agradecimento para os seus grandes amigos, pois era a primeira vez que estava realmente feliz, desde que Alice caíra ao levantar-se da cama e não conseguira mais suster-se pelo seu pé. Este era o primeiro dia em que o seu sorriso era verdadeiro e não um pobre consolo para alguém que se finava a olhos vistos, numa lenta agonia de quatro anos, até se acabar de vez, há dois.

Mas hoje era um dia de felicidade e resolveu fechar os olhos um pouco, mantendo o enorme sorriso nos lábios. O seu corpo relaxou e sentiu uma grande paz.

Sonhava. O salão já não era o salão, era o imenso céu azul, onde fulgurava o sol, numa esplêndida tarde de verão. Os músicos não tocavam boleros, mas sim as pouco afinadas modas da sua juventude, onde conseguiu distinguir a rabeca do ti Feliciano e o tambor do Zé Pedreiro.

Os seus amigos aperceberam-se que algo não estava bem e chamaram-no e abanaram-no insistentemente. Ele não os escutava, não deixaria que o tirassem do seu sonho, nem quando um homem ajudou a deitá-lo e iniciou manobras de reanimação. Todo o salão parou, perante a agitação em volta de Edmundo.

Ele já não se interessava. Os dançarinos já não vestiam as roupas modernas e dançavam alegremente, levantando a poeira do chão de terra batida. De repente, lá estava ela a caminhar ao seu encontro; o vestido de alças aos quadrados vermelhos e as sandálias de couro da mesma cor. Os cabelos negros e longos que lhe desciam pelas costas, encimavam o belo rosto, sem mácula, da sorridente Alice com quinze anos. Ele ergueu-se, sem dores nem cansaços e viu que a mão que lhe estendia, não era esquálida ou peluda, nem manchada pela idade. E assim, sorrindo de felicidade, lançaram-se na dança, desfrutando da primavera da vida.



5 comentários:

Fernando Morgado disse...

Na dança da vida, tocas a escrita com a sensibilidade de um violino, com a leveza de uma flauta, com a harmonia de um piano; uma orquestra de afectos que emergem da tua pauta.
Somos aquilo que guardamos, momentos, cheiros e sabores, ensinamentos e sobrevivências, dor e amor, sorrisos e lágrimas, os sins e os nãos, até os ses - imagens imateriais que nos acompanham no caminho.
O teu caminho é de sucesso. Continua, gosto de te ler. Como quem lê uma pauta.
Dancemos!

M.L.M disse...

Gosto do conto um pouco nostálgico mas gostei de ler este este conto que para mim foi um curto renascer.

Maria Luísa, beijinhos.

Suzete Fraga disse...

Fenomenal! Um enredo surpreendente que não deixa antever o final. Como sempre, rico em belas descrições. Muito bem construído. Ou seja: a qualidade a que já estamos habituados. Parabéns, Amaro! Grande abraço.

maria teresa disse...

Como sabe Manuel sou uma mulher que já ultrapassou muitas fases da vida, sempre adorei dançar não num ambiente igual ao que descreve, mas paralelo.
O seu conto levou-me para os dias em que o meu corpo se movimentava sem peso nos braços de um homem que muito amei e que por ele fui adorada.
Fui tão feliz!
Não devia estar aqui a falar de mim, mas o seu "escrito" tomou vida, apossou-se da minha alma, revivi momentos de vida em que acreditava que a vida seria sem rosada e chorei ...
Parabéns!
Abracinho meu.

António Costa disse...

Obrigado por mais este conto, é bem verdade a vida vai passando ao som da musica e da dança. Temos de dançar como sabemos seja tango, bolero ou valsa.
Um grande abraço