quinta-feira, 31 de dezembro de 2020

Saudades do Mar


Está este 2020 de má memória nas vascas dos últimos dias. 

Desde fevereiro que o mundo é reinado pela Peste, o primeiro dos cavaleiros do apocalipse, segui-lo-ão os outros três malditos? Quase posso escutar o seu tropel distante...

Cansado de recolhimento, fui ver o mar. Apesar de viver a poucos quilómetros, há uns meses que não ia à praia. 

As estátuas lá estavam, representando uma tragédia distante, num desespero sempiterno, imóveis em gestos impotentes e bocas hiantes em gritos mudos de quem gritou e chorou há tantos anos atrás.

O céu de chumbo repousa sobre o mar calmo e sereno com as ondas suaves que o perturbam de quando em quando. As nuvens que parecem repousar nas águas reluzentes da luz que parece prometer um sol distante. Lembrei-me das palavras Do Livro: 

 "E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus movia-se sobre a face das águas.Gênesis 1:2

Neste cenário primevo, as gaivotas voam baixo, ou dão risadas, em grupos amontoados nas areias planas, junto à rebentação, sem respeitar o distanciamento social.

O calçadão está deserto e apenas um corredor, quase no limite das forças, passa por mim, ignorando-me no castigar do seu próprio corpo. No areal, uma mão cheia de surfistas prepara-se para cavalgar as ondas envergonhadas, talvez já arrependidos de terem saído da cama para um mar tão calmo.

Cheguei por fim à gigantesca "Anémona", que vigia o Castelo do Queijo, mais além.

Cheguei ao fim do meu passeio, às 8 da manhã, sozinho na praia vazia, com 5° de temperatura e a promessa de chuva. Acho que já chega para matar a saudade do mar.


0 comentários: