sábado, 9 de agosto de 2003

Calor



Calor.
A mente ferve, o corpo incendeia.
Os pensamentos são difusos,
A imaginação não se refreia,
Os nossos seres estão confusos.
Calor.
A cabeça não funciona,
O corpo verte água, sua.
Todo o meu ser se emociona,
Ao sonhar com a boca tua.
Calor.
A noite é imensa, eterna,
As horas não querem passar,
Sonho com a caricia terna
Que teima em não chegar.
Calor.
Esta noite é infernal,
O corpo em água se esvai
Só a tua presença não faria mal
Enquanto a consciência se vai.
Calor.
Por fim o sono bem-vindo,
Onde sonho que estás aqui
Mas quando o sonho é findo
Me apercebo do que perdi.

0 comentários: